quarta-feira, 10 de novembro de 2010

7ª Maratona do Porto ............. E já cá cantam três Maratonas!

A Maratona da Otília
Chega o tão ansiado fim-de-semana e lá vamos nós para o Porto. Excelente viagem com os meus companheiros do CLAC, fomos levantar os dorsais, os sacos e ainda conseguimos experimentar a massa party . Na mesa com os atletas das Lebres do Sado e da Barreira a conversa só girava em torno de trilhos e trails a Célia Azenha conta-nos as suas últimas aventuras.

Demos uma volta pela Expo Maratona fizemos umas compras e ainda deu tempo de ir levar uma massagem porque o meu gémeo esquerdo andava a preocupar-me, no fim fiquei mais descansada e aliviada. Conversamos com o Mestre dos Trilhos em Portugal o Moutinho que nos conta como vão os “Trails por Portugal”e também lhe damos informação sobre os nossos “Trilhos do Almourol “ a realizar no dia 3 de Abril de 2011.
O dia estava a passar depressa mas tínhamos de ir buscar mais uma atleta do CLAC, a Maria José, à estação de Campanhã. Chega a vez do Jantar no shopping de Gaia, mais uma vez “Massa”, a ansiedade crescia a conversa era sempre a mesma, Maratona e mais Maratona. Chega a hora de deitar. Nem sei como mas dormi muito bem! Às 6 da manhã já estavam todos a pé e lá fomos nós para o local da chegada da Maratona para irmos no transporte, que a organização disponibiliza para o local da partida, sempre encontrando muitas caras amigas e conhecidas dos trilhos ou da blogosfera. Saímos do autocarro e começa a chover, que chato nem dá para tirar as fotos para mais tarde recordar. Encontro o Fernando Andrade que já conta com 38 Maratonas é um espectáculo! Conseguimos que o José Carlos Fernandes nos tirasse umas fotos mesmo debaixo de chuva.

Dirigimo-nos para a partida desejando boa sorte uns ao outros, bate-se palmas à organização e a todos os atletas que ali estão ….. E PUM ouve-se o tiro, lá vamos nós, é uma grande moldura humana que ali vai a correr, pronta para se superar e se sentir especial. Eu sinto –me Especial (desculpem).

E lá vou eu…..é a minha 3ª Maratona sinto-me contente e orgulhosa por ter a coragem de ali estar, chegamos ao 1º km e olho para o meu garmin, M##…. tinha perdido o satélite não marcava os km senti-me também perdida! Só parando é que iria conseguir apanhar o satélite outra vez.

Parar não! (mas devia ter parado). Continuei, apanho a Célia que me incentivou a seguir, e lá fui aos 5 km (26’45) vou com o Joaquim Adelino que me diz que tem que reduzir um pouquinho passamos no local onde iremos chegar daqui a umas horas e desejo que já fosse agora somos aplaudidos muito efusivamente e nem só por estrangeiros. Chego à rotunda do Castelo do Queijo e começo a cruzar com os atletas da frente e lá vem o meu Brito com o Marçal é como um “dopping” para mim passarmos um pelo outro e gritamos um para o outro palavras de estímulo, a seguir vem o Henrique e o Oliveira e muitas outras caras que me chamam e me encorajam. Entretanto cruzo-me com a Joana que é estreante na Maratona e a Zé que já tinha feito uma Maratona em 2006 com uma excelente marca mas agora não está em tão boa forma.
Sou apanhada pelo Miguel Saraiva e outro atleta da Barreira e sigo com eles, mas o andamento vai rápido entre 5’15 e 5’25 digo-lhes que tenho que os deixar ir mas vou continuando com eles, irei pagar a factura mais tarde, paciência! Aos poucos vou ficando atrás deles, sigo depois com dois espanhóis que me apanham a água e me oferecem poweraid mas digo que não a minha barriga já não vai boa e tenho imensa vontade de fazer xixi desde os 10 km. Passamos a ponte Dom Luís e ainda me cruzo com o Luís Mota a quem grito (ainda tenho voz aqui), começo a ver à minha frente o Tigre é sinal que vou bem! Cruzo-me outra vez com o Brito que vai muito descontraído e feliz da vida na companhia do Marçal.

Vejo a Isabel e o António Almeida o que acho muito estranho ele estar ali e não a correr (mais tarde sei porquê, é lamentável por parte da organização) eles incentivam-me, não o deviam ter feito! E Já estou na Meia Maratona com uma 1’52’45!!!!!!!
Ai!Ai!Ai eu sei bem o que isto quer dizer! Vou reduzindo, a isso sou obrigada, o meu corpo já vai começando a dar contas do desgaste.
Aos 25km como banana e marmelada (MAU; MAU) não o devia ter feito, engasgo-me quase que vomito, já estou outra vez em cima da ponte Dom Luís e as cólicas aumentam, e a vontade de fazer xixi não passa, mas não tinha sítio para ir fazer!
Começo outra vez a cruzar-me com as caras conhecidas (esqueço-me do xixi) vou ainda chamando por eles começo a ver o meu Brito lá ao fundo e já me sinto toda rota, passo por eles já não grito, mas levanto os dois braços o Brito pergunta-me se estou bem e digo que sim não valia a pena dizer que me estava quase a “BORRAR”! Ele vai bem, o Marçal já ia de lado! Sei que por ali há vários muros começo a procurar um onde consiga ir quando vier na volta para cá! Passo o retorno dos 28 km, mais atletas vão passando por mim, chego perto de uns barracões e lá vou eu para trás dos muros aliviar-me! Foi mesmo um alívio, naõ aguentava mais! Mas via tantos atletas que estavam atrás de mim a passarem-me para a frente, o Renato Cruz, a Flor Madureira de quem eu trazia um bom avanço, nunca mais consegui chegar a eles! Mas lá fui, passei os 30 km, passei pelo túnel da Ribeira e chego ao empedrado (malvado) dá-me cabo do corpo todo.
Os km vão passando è espantoso! Eu vou sempre correndo, não paro nem nos abastecimentos, tento descontrair, mando o meu corpo descontrair mas ele não me obedece (insuburdinado) não consigo mesmo descontrair! CHIÇA! Mas Corro! Corro como se fosse uma tartaruga! Chego á subidinha dos 37 km (mais empedrado) fujo para o passeio e lá vem a recta interminável dos 38 e 39km a Dina Mota apanha-me, mas pára logo á frente com câimbras nos dedos dos pés! Mas logo me apanha outra vez, não a consigo acompanhar, sinto-me Triste, tão Triste, falta-me garra! Mas não consigo dar mais do que aquilo. Penso no avanço que tinha aos 25 km dela eram mais de 2 km e vejo aquilo que eu quebrei! Não compensou o esforço do inicio, fica a experiencia!
Começo a ouvir apitos é a Claque do Mundo da corrida são fantásticas, mas hoje eu já não tinha força para gritar com elas. Já estou na rotunda do Castelo do Queijo o vento estava de frente, era horrível quase não conseguia avançar mas agora também já nada me ia parar, estava quase, chego aos 40km e ainda me cruzo com os meus colegas de equipa o Henrique e logo atrás o Oliveira que vinha todo torto como eu, Íamos de lado, eles também tinham rebentado.
Só faltava a última subidinha no km 41 “MALVADA”, vieram –me a cabeça muitos impropérios conhecidos e acho que ainda inventei alguns, via ao longe, muito ao longe o pórtico e nunca mais lá chegava alguns atletas que já tinham acabado incentivavam-me, chego ao pé do Ricardo Bastos e queixamo-nos um ao outro como se valesse a pena.
Começo a avistar o Brito que já vem a gritar por mim, mas eu não tenho reacção, nem consigo falar, só tenho um enorme cansaço, mas lá forço mais um pouco e aumento o ritmo, oiço o Brito atrás ainda a gritar por mim, as pessoas vêem o nome no Dorsal e vão dizendo o meu nome e aplaudindo, começo a sorrir e já tenho força para me rir outra vez chego ao 1º pórtico e faço a curva vejo o Alcino (minha equipa) e a esposa, está quase! Agora sim estou no passeio da Fama! Vejo o relógio nas 4’03 e tal, e forço tento-me endireitar para a foto (não sei se consegui).
PRONTO ….FIM ….ACABEI, tenho a minha 3ª Maratona, em 4’3’34 chip e 4’4’08 oficial não baixei das 4h mas o ano passado tinha feito 4’10 por isso foi um pouquinho melhor, e verdade seja dita eu não tenho muito mais estofo para melhorar mais do que isto! É aquilo que posso, e já fico muito orgulhosa de mim própria. EHEHEH!

Agradeço a todos as palavras de carinho e incentivo que me deram durante e depois da prova. A todos um Bem Haja! E até á próxima!
Parabéns á minha equipa (fomos 9) que se portou muito BEM. Em especial para os estreantes. A única que não conseguiu acabar foi a minha amiga Mª José que ficou aos 35 km pois tinha um joelho muito inchado e muitas dores e foi aconselhada a desistir, eu sei bem o que isso lhe custou, porque desistir não faz parte dela, mas às vezes tem que ser, Maratonas há muitas! Venha a próxima!
NOTA: Fez – me muita falta o meu Garmin! E mais companhia pois fiz grande parte isolada. Ah, já me esquecia, mais força nas pernas também fazia jeito!
Saudações e até á próxima que deve ser em Sevilha.
Otília

9 comentários:

Fernando Andrade. disse...

Parabéns Otília.
Brilhante relato e excelente prova.
Obrigado pela referência o texto.
Beijinho.

FA

António Almeida disse...

Olá Otília
parabéns por mais uma conquista e desculpa lá o forte incentivo que te demos, foi mais forte do que nós, falando mesmo a sério estiveste muito bem bem como a comitiva do CLAC, pena a desistência da M. José mas é como disses, Maratonas há muitas.
Parabéns também pelo relato.
Forte abraço.

Vitor Veloso disse...

Parabéns Otília.
Excelente prestação.
Bjs
Vítor e meninas

joaquim adelino disse...

Grande Otília, e que grande maratonista e que relato (a odisseia já me fazia lembrar Óbidos em 2009), é normal todo aquele sofrimento pois não existe maratona sem dor, gostei muito de te ver sempre que cruzámos, o sorriso ás vezes mesmo forçado tranquiliza-nos e foi assim que eu te imaginei pensando sempre que ias bem.
Deixa-me dizer-te que não farias melhor se tivesses ficado comigo, como disseste, foste à procura do sonho e eu volorizo isso muito, a coragem que tiveste no final em enfrentar as naturais dificuldades de uma Maratona credenciam-te como uma vencedora e criaram em ti uma maturidade enorme pronta para enfrentar desafios idênticos e ou superiores, ninguém tem dúvidas disso.
Um beijinho.
Abraço ao Brito

Mário Lima disse...

Otília

Que dizer de ti? Estás uma verdadeira atleta todo-o-terreno.

:)

Não há piso nem distância que não te aventures e se algumas ainda não levaste de vencida (Freita), não faltarão oportunidades para de novo lá voltares e dizeres ao Moutinho que só um pico até ao céu te impedirá de lá chegares.

Que dizer deste teu relato? Tendo uma prova destas as peripécias que as tem, e mesmo engasgando com a marmelada e a banana e com o vento feito parede e muitos impropérios ditos em surdina acabaste e isso, minha amiga, vale bem o esforço dispendido.

Melhoraste o tempo, o tempo foi melhorado. És uma Campeã.


Tudo de bom

P.S. - Uma rectificação Brito. No teu tema referenciei 2h20' e seriam sim 3h20'. É que o dois está no teclado ao lado do 3.

:))

Paula Pinto disse...

Parabéns, Otília!

Adorei! Adorei! Adorei! Olha, quase me sinto "tia" a dizer isto: ADOREI!
Até eu me senti "especial". Grande Otília! Não sei se vibrei mais com a leitura do teu relato, ou pelo facto de seres a Otília, do Entroncamento e eu me sentir um pouco a correr contigo.
Seja como for, foi uma prova excelente. As tuas palavras tiveram o condão me me pôr a correr lá e isso é uma magia que não vou esquecer.

Beijinhos e, uma vez mais, parabéns.

Otília disse...

Obrigada a todos pelas vossas palavras tão queridas e amigas!

Mário a "Freita" está no Limite do céu e não sei se volto a ter coragem para lá ir! tem que ser muito bem pensado, uma coisa que eu tenho é a Humildade de me aceitar como sou e de saber que há desafios que são demais para mim, como é o caso da Freita. Mas ainda falta muito logo se vê!

Paula obrigada pelas tuas palavras que tanto me encantam, fazer uma Maratona dá-nos tempo para tudo.
Por muito que custe até dá para sentir saudades quando chegamos ao fim.
Beijinhos e até á próxima.

Bons treinos para todos e até á próxima.

MPaiva disse...

Otília,

Muitos parabéns por mais uma maratona cumprida e pela evolução que tens demonstrado.

bjs
MPaiva

luis mota disse...

Olá Otília!
Renovo as felicitações pela brilhante prestação no Porto. Reli o texto e voltei a sentir a alegria da Maratona.
Parece que o CLAC repetirá presença em Sevilha onde também gostaria de estar.
Boas passadas
Luís Mota