quinta-feira, 10 de novembro de 2011

8ª Maratona do Porto

E pronto já está mais uma Maratona feita pelos EntroncamentoRunners…… e esta foi até ao osso.


A Maratona é a distância mítica no mundo do atletismo é uma das provas mais longas, desgastantes e difíceis do calendário olímpico, é uma corrida disputada na distância de 42 195 metros.
Mais importante que pódios ou vitórias são a coragem e a determinação dos milhares de atletas que alinham na linha da partida de tão difícil prova, com a vontade de com maior ou menor dificuldade percorrer a lendária distância e foi precisamente isso que os EntroncamentoRunners fizeram no passado dia 6 de Novembro, quando alinharam na 8ª edição da Maratona do Porto, a maratona mais participada de Portugal.
Correr no Porto é um prazer e quando se está acompanhado por amigos, durante e ao longo da prova então o prazer é em dobro.
(Foto: Joaquim Margarido)
Apesar de ainda jovem a Maratona do Porto já se conseguiu impor no panorama desportivo nacional e internacional, contando este ano com cerca de 2000 atletas inscritos. O percurso é bastante agradável e rápido, com início junto ao Palácio de Cristal, passando em seguida pela rotunda da Boavista, Casa da Música, Estádio do Bessa, Castelo do Queijo, Edifício Transparente, Alfandega do Porto, pela centenária ponte D. Luís, pela Afurada com os seus barcos rebelo, pela Ribeira, pela Foz, terminando junto ao Parque da Cidade, na Avenida do Parque.
Esta edição foi um sucesso, terminaram a prova um número recorde de atletas, no total foram 1489 a cruzar a linha de meta, mas a prova foi dominada por atletas quenianos e Philemon Baaru venceu estabelecendo um novo recorde da prova com a marca de 02h09:51, no sector feminino Pauline Chempchumba venceu com alguma facilidade terminando a prova em 02h41:24.
Quanto aos nossos resultados, eu terminei em 473º com o tempo de 3h29:29, não foi o resultado que esperava, mas uma vez mais se provou que a teoria do porquinho mealheiro (ganhar alguns segundos por km nos primeiros 30/35kms) não é a melhor forma de abordar uma maratona (depois temos de pagar nos kms finais e com juros elevados), no meu caso foi os últimos 2 kms que foram percorridos a passo a uma velocidade de 8'/km.
a Otília concluio em 1190º com a marca de 4h14:49, também para ela a prova não correu pelo melhor, fez a sua pior marca na distância, mas mesmo assim acabou com um sorriso acompanhada pela amiga Ana Paula da Barreira.

2 comentários:

joaquim adelino disse...

Envio os meus parabéns para toda a vossa equipa e em especial para ti e para a Otília. As dificuldades sentidas são naturais, no Trail corre-se menos e anda-se demais, na Maratona é sempre a dar e sem locais para repousar. É sem dúvida a prova rainha da estrada e daquelas que custam mais a "tragar". Abraços para a rapaziada.

Mário Lima disse...

Brito

na mão direita levavas a carteira caso tivesses que apanhar o Metro?

Olha que não é má ideia!

:)

Depois de ler o que vocês escreveram sobre a dificuldade que tiveram em acabar a prova, eu, que não sou queniano, e vou voltar à Maratona 14 anos depois, já estou a pensar que vou fazer uma loucura.

Vocês que estão em todas sofrem assim, imagino eu depois de tanto tempo parado.

Vou levar dinheiro para o Metro!

:))))))))))))))))

Abraços duplos!