terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A minha 4ª Maratona


27ª Maratona de Sevilha


“SI LO PUEDES SONAR, LO PUEDES LOGRAR” e está feita a minha 4ª Maratona, e o meu Record pessoal 3:56’14. Sei que já tinha utilizado está frase, mas este ano tornei a encontra-la várias vezes durante o percurso da maratona de Sevilha e a emoção cresce dentro de mim sempre que a leio!
No sábado a comitiva do CLAC partiu em direcção a Sevilha na companhia do Luís Mota e da Susan e também dos meus filhotes (Tomás e Vasco) chegamos a Santipoince perto de Sevilha fizemos o Checkin, e “bora” lá levantar os dorsais e “Past Party”. Vários Tugas fomos encontrando, e era uma alegria pôr a conversa em dia. Depois de termos os dorsais e o saco com as ofertas, tentamos ir passear para o Centro de Sevilha mas isso não foi possível, não havia estacionamento em lado nenhum.
Resolvemos ir descansar e jantar para nos prepararmos para o dia seguinte que era o nosso objectivo! Depois de uma noite “bem” dormida partimos para o estádio, chegamos cedinho, mas já havia bastante confusão, depois de estacionarmos e tirarmos a fotografia da praxe, para mais tarde recordar! Entramos no túnel que dava acesso há antecâmara. De todos os lados apareciam atletas. Depois de ter utilizado aquelas casas de banho portáteis!!!!! Lá me fui despindo ao pé de um aquecedor, chegou a altura de entregamos os nossos sacos e lá fui com a Joana para o corredor das “Mujers” e “Elite” (gosto sempre desta parte) que ia reclamando que estava muito lento! Já não conseguia ver o Brito nem os nossos companheiros e resolvemos entrar dentro do estádio. E mais uma vez tive que ir às casas de banho! Era uma ansiedade muito grande! E então lá foram aparecendo os nossos companheiros, fotos daqui e dali, resolvemos ir para a frente junto do balão das 3h30, o José Felício (estreante na maratona) estava perto de mim para fazermos a maratona juntos. Eu esperava o José Carlos Fernandes que era para partir comigo mas não o consegui encontrar (desculpa pelos kms á minha procura)! E “PUM” lá estava o tiro de partida, ligo o meu companheiro especial (garmin) e lá vou EU, na companhia do Felício!

A alegria daquela gente é um espectáculo, os gritos de euforia no túnel, a saída em que consegui encontrar os meus filhotes e a Carla (companhia deles) senti-me feliz e corajosa. E lá fui a 5:10 por km mais ou menos, tentando controlar o ritmo e procurando caras conhecidas do outro lado, 1º o Mota e lá gritei por ele, a seguir o Eduardo Gomes, o Alcino e o Francisco, depois o Marçal, o Meu Brito na companhia do Mário e o Henrique todos mereceram o meu grito! Encontrei a Célia que me encorajou a seguir (fantástica, como sempre) chegámos aos 5 km e digo para o Felício que isto vai rápido temos que ir controlando senão vamos pagar caro no final, ele ia dizendo que eu é que mandava (eheheheh)!


 Passamos outra vez perto do estádio e vejo de novo os meus filhotes com a bandeira do CLAC a gritarem por mim, e lá vamos nós encontrando atletas portugueses, alguns perguntando pelos Trilhos do Almourol, era uma maneira rápida dos kms passarem, em todos os abastecimentos ia bebendo e ingerindo os gels que levava, conselhos do maneagear cá de casa!
Aos 17,5km oiço uma voz que me diz “Só esta mulher para me fazer correr tanto para a encontrar” era o José Carlos Fernandes que se fartou de me procurar junto do balão das 4h e das 4h30 e não me conseguiu encontrar (ele tinha prometido fazermos a maratona juntos) mas eu parti mais à frente, MIL Desculpas para ti! Mais à frente encontramos a Daniela, a partir daí fomos todos juntos, passamos a meia maratona com 1:54:02 estava bom, a Daniela dizia que se não diminuíssemos o ritmo íamos fazer na casa das 3:52 eu até tremi de medo, sei que isto não é para mim, a minha cabecinha começa logo a mandar reduzir. O José Carlos diz que ainda faltam muitos kms, temos de ir com calma. Aos 25 km 2:15:59 marca o relógio e ainda estamos todos com muita dignidade! Tomo o meu 2 e último gel o meu estômago não aguenta mais que isso, a partir daí só mais duas pastilhas de Isostar. Sinto-me bem, mas a partir daqui os kms começam a ser mais lentos passo dos 5:35 para 5:45 é a tentativa de manter a dignidade até aos 30 km! Chegamos aos 30 km e digo para o Felício que isto estava quase a acabar, ele estava a portar-se muito bem para quem estava tão ansioso e duvidoso da sua prestação. No entanto começa a quebrar o ritmo e vai ficando para trás com o José Carlos. Eu vou seguindo com a Daniela mas, só até aos 32 km, ai as minhas pernas começam a pesar muito. Ela vai muito bem digo-lhe para ir que eu tenho que diminuir o ritmo, ela ainda me encoraja dizendo que estamos muito bem e dentro da média para baixar das 4h! Mas as forças começavam a faltar! Vou seguindo agora sem companhia conhecida, mas mesmo assim muitos atletas se metiam comigo (tinha uma bandeira portuguesa na cintura) e encorajavam Portugal. A minha cabeça só pensava que os 37 e 38 km estavam a chegar, detesto estes kms são muito duros e difíceis de ultrapassar é sempre a minha maior quebra! Mas lá os ultrapasso e só penso que parar está fora de questão! Chegam os 40 km 3:43:28, tento fazer contas para ver se o objectivo ainda tinha hipóteses de ser cumprido e lembro-me das palavras do Brito que eu estava a valer 3:55!!!

Não estava longe, vou forçando e ultrapassando atletas com cãibras e que tinham de ir a passo, eu ia devagar mas ainda corria! Começo a ver o estádio e entro no último km, corro um pouquinho mais rápido mas pouco, quando forçava sentia uma enorme fraqueza pelo corpo todo não dava mesmo para mais, faltava-me ali uma companhia! Vou batendo nas mãos de alguns meninos que nos gritam palavras encorajadoras e começo a descer o túnel, por um lado tenho um sorriso de orelha a orelha, mas também os meus olhos mais uma vez estão rasos de lágrimas (mas não sou a única) oiço a música lá dentro e sinto o tapete das estrelas finalmente nos meus pés!

Vou ultrapassando atletas e começo a ver as bandeiras do CLAC e os meus filhotes a gritarem por mim. Consigo levantar os meus braços em sinal que os vi (o ano passado não os vi), vejo o relógio e ainda dá para acabar abaixo das 3:57……..IUPI!! E finalmente posso andar… Ufa! Que alivio os meus pés estão uma lástima, recebo a toalha, um rapaz querido teve a gentileza de me tirar o chip da sapatilha e procuro uma cadeira para me sentar, ao meu lado um jovem enorme chora copiosamente como se fosse uma Maria Madalena enquanto o colega o anima e se ri dele!
Logo a seguir vem o Felício que conseguiu acabar com 3:58 estava muito contente, diz-me que o José Carlos Fernandes tinha ficado para trás aflito de uma perna. Recebemos a medalha e fomos tomar banho. A equipa do CLAC estava toda muito contente, e orgulhosa todos tínhamos chegado ao fim e melhorado os tempos e os estreantes portaram-se muito bem! O Luís Mota fez mais uma vez uma excelente maratona. Depois do almoço era hora de rumar a casa, mais uma maratona no corpo e no coração, e uma experiencia fantástica para recordar, embora feita com algum sacrifício!
E Esta maravilhosa frase não me sai da cabeça.
“Se podes sonhar….podes conseguir”!
Barcelona está á minha espera!
Otília



6 comentários:

Fernando Andrade. disse...

Emocionante o teu relato, Otília. Excelente. Comprovaste mesmo que "Si lo puedes soñar lo puedes lograr" e tiraste proveito desta frase que tanto ânimo nos transmite.
Beijinho e boa Prova em Barcelona.

António Almeida disse...

Excelente maratona e excelente relato, muitos parabéns.
Abraço aos 4.
Com admiração.

Carlos Lopes disse...

Parabens pela prova e pelas palavras...

luis mota disse...

Muito bem Otília.
Uma 4ª e valente Maratona.
Gostamos muito de estar na vossa companhia na jornada de Sevilha.
Luís e Susan.

Mário Lima disse...

Otília

Eu também em Sicó estava a sonhar que estava ali a minha "madrinha" da minha estreia em trilhos, afinal só sonhei, não logrei!

:)))

Um resumo bem elaborado da prova, objectivo conseguido, mesmo com um minuto e uns trocos a mais previstos pelo "manager", e só uma mulher para colocar os "bofes" de fora a um homem, que o diga o Carlos Fernandes.

:))

Parabéns e como ouvi alguém dizer-me sobre o que lhe tinha dito o marido, também te digo a ti, o Brito tem que te levar ao médico. A acabar uma maratona e já a pensar noutra? Deve ser caso de loucura.

:)))

Tudo de bom

MPaiva disse...

Otília,

Muitos parabéns pelo excelente resultado final e pelo relato da prova. É incrível como a descrição dos estados de alma que cada um sente ao longo das maratonas nos emocionam.

bjs
MPaiva